Arquivo da tag: artigo

Usando um disco DVD+RW como pendrive/mídia removível.

Olá, vocês sabiam que é possível usar um DVD+RW como pendrive? Gravando nele simplesmente arrastando algo pra lá ou salvando normalmente como se fosse um disquete ou um pendrive?

Vantagens:

  • Muito mais barato que pendrives.
  • Pode ser levado dentro de um caderno.
  • Não depende de porta USB.
  • Mais fácil de encontrar.
  • Mais acessível.
  • Capacidade de até 8 GB por apenas uns 4 reais?
  • A prova da água, sabão, sal…
  • Pode ser facilmente destruído em caso de “emergência”.

Desvantagens:

  • De alguma forma pode ocupar mais espaço.
  • Baixa capacidade comparado aos pendrives.
  • Pode ser facilmente riscado, apesar de poder ser polido novamente depois.
  • Não é muito responsivo, já que é uma mídia mecânica e que fica girando, então há tempo de deslocamento do laser, de girar o disco.

Como fazer e usar:
(Talvez funcione com DVDs-RW e CDs-RW também, não testei ainda. Descobri que funciona com DVDs+RW fazendo isso apenas por curiosidade. E funcionou! 🙂

  1. Separe uns 5 reais ou o cartão de crédito, pode ser o de seus pais, de preferencia pergunte antes de pegar o dinheiro ou o cartão.
  2. Vá a um mercado, tabacaria ou papelaria ou outro estabelecimento que venda DVDs regraváveis.
  3. Encontre ou pergunte por um DVD regravável.
  4. Pegue o DVD+RW.
  5. De preferência pague por ele.
  6. Chegando em casa vá até o computador.
  7. É crucial que você use Linux 😉
  8. Coloque o disco no seu gravador de DVD, caso ainda não o tenha, compre um! Está apenas uns 90 reais na loja mais próxima de você.
  9. Abra um terminal e logue-se como root. “sudo bash”
  10. Caso não tenha instalado, instale o wodim, Mandriva/Mageia “urpmi wodim“. Fedora/CentOS “yum install wodim“. Debian/Ubuntu/Mint “aptitude install wodim“. Arch Linux/CRUX “pacman -S wodim“.
  11. “Formate” o DVD, “wodim /dev/sr0” (Substitua o sr0 pelo dev respectivo ao seu gravador, caso tenha mais de um leitor/gravador de CD/DVD/BluRay).
  12. Crie um sistema de arquivos de sua preferência, estou usando FAT16 para melhor compatibilidade. “mkfs.msdos /dev/sr0 -n dvd” (Troque o dvd por um nome para o seu disco, pode chama-lo de tux se preferir. 😉 )
  13. Ejete o disco. “eject
  14. Coloque o disco novamente e use-o como se fosse um disquete/pendrive. 😀

Divirta-se. É um bom quebra-galho, não é?

E as coisas continuam quentes. Tenho medo que o Mandriva Linux acabe?

Pois é pessoal, o clima continua quente aqui, acima dos 30 graus, deu uma chovida, mas não adiantou muito e parece que eu não consigo dormir com esse calor todo, então aqui estou escrevendo, o que é bom, assim o blog fica mais movimentado, não é mesmo?
 
O assunto dessa madrugada é o seguinte.

Tenho medo que o Mandriva Linux acabe?

Resposta curta, não.
Resposta longa, o Mandriva Linux, apesar de ser comercial, possui, como toda boa distribuição Linux, o seu código aberto. Assim, sempre que haver uma comunidade apaixonada pela distro, essa continuará a existir. Atualmente, grande parte da distro ainda continua sendo desenvolvida por algumas das mesmas pessoas que a muito tempo atras trabalhavam na Conectiva. Pessoas essas que não querem e não vão deixar o trabalho de tantos anos acabar assim. Eu não tenho medo que o Mandriva acabe porque eu confio nos desenvolvedores antigos da Conectiva e nos atuais da Mandriva, confio no pessoal que tá ali no escritório brasileiro da Mandriva, trabalhando arduamente para sempre tentar melhorar essa distribuição que já esteve entre as mais inovadoras e usadas do mundo todo.
 
Se a empresa Mandriva acabar, talvez aconteça de uma outra empresa nascer e continuar com o legado Conectiva, ou talvez, os devs atuais se unam e transformem o Mandriva em uma distro comunitária, que nem o Debian ou Fedora. Por comunitária quero dizer, mantida pela comunidade, tudo o que é necessário é organização e dedicação.
Vamos nos unir e não vamos deixar bons projetos de código livre acabarem.

UP – Cloud Computing, by Megaf.

Olá. como falei no post anterior, hoje eu postaria um UP sobre minhas ideias e minha visão de Cloud Computing, o objetivo do post é ajudar as pessoas a entenderem melhor o que é a Computação em nuvem, ou ao menos o que ela deveria ser.
 
Leiam aqui o post Cloud Computing, by Megaf.

Comparação: AMD Phenom II x6 1090T Black Edition Deneb 3,2 GHz vs Intel Core i7-980X Extreme Edition Gulftown 3,33GHz

Versão em PDF.

Olá, dando continuidade a tabela comparativa anterior, aí vai uma tabela comparativa nova, sobre os atuais top de linha pra desktops dos dois maiores fabricantes.

Esta tabela tem como objetivo mostrar alguns dados técnicos sobre os processadores, nem mais, nem menos. Por favor note que tanto a Intel quanto AMD buscam dificultar a obtenção de algumas informações, então é possível que alguns dados não estejam inteiramente correntos, caso você note que alguma coisa esta incorreta, por favor contribua com a informação correta.

Nome:

AMD -> Thuban

Intel -> Gulftown

Preço:

AMD -> $295.99 (NewEgg.com)

Intel -> $999.99 (NewEgg.com)

Frequência:

AMD -> 3,2 GHz

Intel -> 3,33 GHz

Número de núcleos:

AMD -> 6 Núcleos

Intel -> 6 Núcleos

Técnica de fabricação:

AMD -> 45 nanômetros

Intel -> 32 nanômetros

Cache L1:

AMD -> 64KB (Dados) + 64KB (Instruções) por núcleo. Total: 768 KB

Intel -> 128 KB por núcleo. Total: 768 KB

Cache L2:

AMD -> 512 KB por núcleo. Total: 3 MB

Intel -> 256 KB por núcleo. Total: 1,5 MB

Cache L3:

AMD -> 6 MB compartilhado pelos 6 núcleos.

Intel -> 12 MB compartilhado pelos 6 núcleos.

Barramento:

AMD -> HyperTransport 3.0

Intel -> QuickPath

Frequência do barramento:

AMD -> 2,6 GHz (Frequência real)

Intel -> 3,2 GHz

Velocidade do barramento:

AMD -> 41.6 GB/s

Intel -> 25.6 GB/s (Precisa ser confirmado)

Número de transistores:

AMD -> (Talvez você leitor possa me ajudar com essa informação)

Intel -> (Talvez você leitor possa me ajudar com essa informação)

Número de canais de memória:

AMD -> 2

Intel -> 3

Modo Turbo:

AMD -> 3,6GHz

Intel -> 3,6 GHz

Mandriva Linux – Qual ISO devo baixar? Descubra qual é a ISO mais indicada para você!

Qual ISO devo baixar?
Muito se fazem esta pergunta ao se deparar com a quantidade enorme de ISOs disponíveis nos servidores.
Pensando nestas pessoas, que assim como eu já tive, tem dificuldade para escolher a ISO mais adequada, resolvi escrever esta dica.
Entendo o nome das ISOs:
Começando pelas ISOs de DVDs.
Vamos pegar o nome de uma ISO qualquer que está disponível para download.
mandriva-linux-free-2010.0-i586.iso
A Mandriva bolou muito bem o nome das ISOs, deixando claro no nome da ISOs várias informações sobre o que se trata.

  • A primeira parte da ISO, é composta pelo nome da distribuição, neste caso, mandriva-linux-free-2010.0-i586.iso
  • A segunda parte, mandriva-linux-free-2010.0-i586.iso indica o tipo de instalação e pacotes disponíveis. Para entender melhor sobre os diferentes tipos de instalação do Mandriva, veja este outro tutorial. O free indica que é um DVD de instalação.
  • A terceira parte indica a versão o ano/estação que ela foi liberada. Neste exemplo, mandriva-linux-free-2010.0-i586.iso,  trata-se de uma edição liberada em 2010, o .0 indica que foi liberada no inverno, no hemisfério note, de 2010, quando é um .1, indica que se trata de uma edição Spring, liberada durante a primavera. As edições Spring são geralmente mais estáveis, elas são versões mais polidas e testadas do .0, e por vezes incluem muitos recursos novos.
  • A penúltima parte, mandriva-linux-free-2010.0-i586.iso, nos mostra para qual arquitetura de processador ela foi feita. Ou seja, esta, a i586, foi feita para todos os processador a partir dos K6 e Pentium I, processadores que vieram depois do 486.
  • Agora chegamos a última parte do nome das ISOs de DVDs, que como você deve imagina, indica que se trata de uma ISO. 😉

Nas versões em CD, tempos ainda mais dois indicadores:
mandriva-linux-one-2010.0-GNOME-europe-americas-cdrom-i586.iso

  • Temos ali o GNOME, que nos mostra que se trata de um LiveCD com um instalador, e usa o ambiente gráfico GNOME, poderia ser também o KDE. Veja a diferença entre eles aqui.
  • Logo depois, temos o europe-americas, esta é a ISO que você deverá baixar sempre, ela contém os idiomas das américas e da europa.

Como sempre, todos comentários são bem-vindos, diga sua opinião sobre este artigo e suas dúvidas.

Mandriva 2010 RC2 disponível.

Acabou de ser liberada a nova versão de testes do Mandriva 2010, a RC2, esta é a ultima versão antes de sair a versão final.
Estão disponíveis as edições Free, ONE e pra máquinas virtuais, sendo que a ONE (LiveCD) e pra máquinas virtuais aparecerão nos mirrors nesta segunda feira.
Se você está em dúvida sobre as diferenças entre os Mandriva Free e One, leia este artigo, onde isto é explicado.
Todas estas ISOs são híbridas, o que quer dizer que você pode passar elas facilmente para um pendrive ou outro dispositivo conectado ao
barramento USB com grande facilidade, usando o Mandriva Seed, onde com apenas um click isto é feito sem dores de cabeça. Veja um tutorial sobre o Mandriva Seed aqui.
Este RC2 é focado principalmente em correções de BUGs, e também inclui estes  novos recursos.

  • Moblin: Conheça e aproveite o novo ambiente gráfico dos novos Linux para dispositivos moveis. Fácil de usar e ergonômico. O Mandriva é a primeira distribuição a integrar o Moblin em uma distribuição Linux gratuita e livre. Para instalar ele é muito fácil, basta instalar o pacote task-moblin, com o gerenciador de pacotes rpmdrake.
  • KDE 4.3.2: Esta é a última versão estável do ambiente KDE 4, aproveite estabilidade e a inovação!
  • GNOME 2.28: Última versão estável.
  • Poulsbo: As ISOs ONE incluem agora os drivers Poulsbo. Usar eles é fácil, apenas deixe as ferramentas de detecção de hardware do Mandriva fazerem seu trabalho.
  • Conta convidada (guest account): Deixe alguma outra pessoa usar seu Mandriva com segurança, é fácil como um click!
  • Nepomuk: A integração continua melhorada. Nos ajude a promover e divulgar esta inovação para os computadores pessoais. Teste!

Por favor tenha em mente que a arte gráfica final estará apenas disponível da versão estável final do Mandriva.
Você vai encontrar mais detalhes e informações sobre este RC2 em sua wiki:
(http://wiki.mandriva.com/en/2010.0_RC_2)
Por favor nos ajude, testando e reportando bugs para a Mandriva.
(https://qa.mandriva.com/)
As ISOs já estão disponíveis nos servidores brasileiros.
ftp://mandriva.c3sl.ufpr.br/MandrivaLinux/devel/iso/2010.0/rc2/
ftp://mirror.fis.unb.br/pub/linux/Mandrakelinux/devel/iso/2010.0/rc2/
Aproveite!
Anúncio oficial.
Caso você encontre qualquer erro neste artigo por favor avise por meio de um comentário. 😉

Notas sobre o Mandriva 2010.

Notas sobre o Mandriva 2010.

Olá, aqui vão apenas alguns dados sobre o Mandriva 2010 apenas para ir deixando o gostinho na boca.

Introdução:

Por favor confira também a errata do Mandriva 2010. A Errata contem informações sobre bugs e como resolve-los. O Mandriva 2010 ainda não foi oficialmente lançado. Este artigo é voltado as versões de testes do Mandriva 2010.

Informações gerais sobre grandes mudanças e novos recursos.

O Mandriva Linux 2010 inclui (ou vai incluir) as seguintes versões dos componentes da distribuição. Kernel 2.6.31 (Estimativa), X.org 7.5 (Com o xorg-server 1.7.0 (Apenas uma previsão) ou 1.6.2+), KDE 4.3.x, GNOME 2.28, GCC 4.4.x, Glibc 2.10.1 ou 2.10.2+ e OpenOffice.org 3.1 (Baseado no Go-OO). O Release Tour contém mais informações sobre novos recursos e mudanças na nova versão destes e outros componentes.

O Mandriva Linux 2010 vai também incluir o sagemath 4.1 como também suas inúmeras dependências, como softwares como o gap, singular, polymake, linbox, e muitas outras aplicações cientificas.

Diferenças entre o Mandriva Free, One, Dual, Powerpack e Flash.

Update dia 21 de fevereiro de 2010.
Abaixo vou explicar de forma bem simples as diferencias básicas entre as versões do Mandriva Linux;
Free – Essa é a versão do Mandriva em DVD, um DVD bootavel que contém o instalador, não é um LiveDVD! Ele não inclui nenhum software, codec, ou driver proprietário por default. Em contra partida é essa a versão ideal pra quem tem internet lenta ou um computador com poucos recursos, pois com ele você pode fazer uma instalação mais customizada e limpa, alem de não precisar ficar baixando um monte de programas, por já vem incluído nele um monte de softwares de código aberto.
One – Este é um LiveCD instalável, inclui drivers de video proprietarios pra placas ATI e NVIDIA alem de codecs fechados. Versão ideal para usuários iniciantes ou que não queiram ficar instalando um monte de programas manualmente, pis já vem com um set completo, incluindo Firefox, OpenOffice, e players multimedia. Ele está disponível em edições com o KDE e com o GNOME, para ler um pouco sobre estes dois, leia este outro tutorial.
Flash – Semelhante ao One, mas em vez de CD é um drive USB de memória flash, um pendrive, você pode compra-lo na Mandriva store.
Dual – Trata-se de uma edição muito semelhante ao Free, porém, contém somente uma quantidade MUITO pequena de programas, inclui o LXDE somente, sem o KDE e o GNOME, a vantagem dele sobre o Free e as outras versões, é que se trata de uma ISO que poderá instalar o Mandriva tanto em máquinas de 32 bit, quanto em máquinas de 64 bit! Ou seja, um Mandriva que vai funcionar em todos seus computadores, do K6 ao Phenom II x6! Ela vai detectar seu CPU automaticamente na hora do boot do CD e instalar o pacote de kernel e softwares mais apropriados.
Powerpack – Versão paga top de linha do Mandriva, inclui muitos pacotes extras, inclusive programas pagos como o cedega, que lhe permite rodar jogos feitos para windows, você pode compra-lo na Mandriva store.