Arquivo da tag: google

Empresas comprando umas as outras

 
 
 
 
Olá, esse post é mais um desabafo de coisas que estão acontecendo no mundo da tecnologia. Mais especificamente sobre a compra de empresas de importância significativa por outras empresas mais novas.
Eu costumava ser um grande fan da Sun Microsystem e seus servidores fantásticos, e de seu sistema operacional, o Solaris, o qual tenho vários DVDs originais dele, sou fan e usuário dos softwares da Sun também, como o StarOffice e do VirtualBox, o StarOffice é a base do OpenOffice, foi nele que o OpenOffice foi baseado.
Até que então em um dia cinza a Oracle comprou a Sun e destruiu muitos de seus produtos, alguns deles foram descontinuados, outros firacaram órfãos, outros deixaram de exisitir.
Outra grande compra que não me deixou feliz foi anos atras a compra da Macromedia pela Adobe…
Recentemente a Microsoft comprou a Skype, e já estão conseguindo deixar esse maravilhoso software VoIP cada vez pior…
Muito recentemente o Google começou a aquisição do Meebo, um ótimo mensageiro multiprotocolo e multiplataforma.
Agora, como se não bastasse, anda circulando da web um boado de que o Facebook estaria interessado em comprar a Opera!!!! Que é meu navegador padrão e favorito a muitos anos agora.
Então fica aqui a minha indignação com isso de muitas empresas que fizeram parte da história da informática estarem sendo aniquiladas de forma desleal.
 
O que irá acontecer com o Skype e com o Opera? O que irá acontecer com todas outras empresas que gostamos e ainda irão serem compradas?
 
 
 
 

Google Chrome chega ao seu segundo aniversário e a versão 6.0 é liberada.

Em 2008 o Google anuncionou seu novo navegador, o Google Chrome.
Hoje ele já tem mais de 80 milhões de usuários e é utilisado por 7,5% dos internautas.

Download do Google Chrome 6.0
Faça já o Download do Google Chrome pra Linux.
Faça já o Download do Google Chrome pra Mac OS X.
Ou Windows… Apesar de ser altamente recomendado você migrar pra Linux ou Mac. 😉
Para o Mandriva Linux escolha o rpm para Fedora.

Baixe e teste o Google Chrome!

Não vou entrar em maiores detalhes.
Basicamente um programador seguiu os passos para compilar o código do Chrome OS e liberou uma imagem que pode ser testada no VmWare ou no VirtualBox.

 

Para mais informações sobre o Chrome e a imagem visite os links abaixo.
Download via torrent. Teste por sua própria conta e risco.
http://www.engadget.com/2009/11/20/google-chrome-os-available-as-free-vmware-download/
http://www.techcrunch.com/2009/11/19/guide-install-google-chrome-os/
http://gdgt.com/google/chrome-os/download/

Google anuncia o Chromium OS


O Chromium OS é o projeto de código aberto por trás do Chrome OS.
Anunciado hoje pela Google, ele é um sistema voltado a desenvolvedores interessados em contribuir com o código. Para em 2010, o Chrome OS
ser finalmente anunciado.
Confira algumas screenshots do Chromium OS!
Leia o anuncio completo do Chromium OS.

Onde o Google quer chegar?

Estas ultimas semanas foram bem movimentadas na internet.
Muitas notícias sobre o Google e seus planos.
Vamos citar algumas:
Google ChromeOS – Possivelmente será lançado semana que vem. Fonte.
Google comprou a Gizmo5, famosa empresa de telefonia VoIP, que tinha preços bastante atrativos. Inclusive fazia ligações gratuitas para alguns paises. Estara vindo o mais novo concorrente do Skype? Integrado ao Google Talk?
Google anuncia o Go, sua nova linguagem de programação conta com uma alta velocidade de desenvolvimento, suporte a multiprocessamento e altar performace.
Google SPDY, novo protocolo do Google que visa ter um tempo de latencia muito inferior ao HTTP.
Será o Google a nova lider mundial?

Go: a linguagem de programação do Google

Texto escrito por Marcos Elias Picão para o portal Guia do Hardware

Formatação e negritos por Megaf.

Essa semana andou agitada entre desenvolvedores e críticos das mais diversas áreas: o Google lançou uma linguagem de programação. Go. Simplesmente “Go“.
O projeto começou com o trabalho de Robert Griesemer, Ken Thompson, e Rob Pike desde 2007, e foi lançado pelo Google sob uma licença BSD (conhecida por ser bastante liberal quando comparada a GPL ou outras licenças livres).
Eles trabalharam em projetos importantes: Thompson foi co-criador do Unix e criador da linguagem B, Pike estava por trás do sistema de codificação amplamente utilizado UTF-8 e trabalhava na equipe do Unix, e Griensemer ajudou a escrever o compilador HotSpot para Java e o V8, o motor JavaScript usado no Chrome, entre várias outras coisas. Como se vê não é uma linguagem “de brincadeira”, é feita por gente grande do mundo da informática.
A linguagem Go tem sintaxe parecida com C e C++ (muitos até relutam em aceitar que se trata de uma nova linguagem, num primeiro momento). O objetivo é oferecer uma compilação rápida porém facilitar um desenvolvimento também rápido, como ocorre em linguagens dinâmicas interpretadas no estilo no Python (mas a vantagem é que a Go é compilada, não interpretada).
Entre os benefícios a linguagem nasce moderna, com suporte a vários núcleos de processamento, facilita o trabalho de programação orientada a objetos, tem recursos como garbage collection, etc.
Com uma linguagem própria a empresa pode ter mais força no desenvolvimento de projetos para seus sistemas operacionais, caso do Android e Chrome OS. Apesar de serem baseados em Linux, as aplicações e uma infinidade de serviços podem ser escritos nas mais variadas linguagens. O lançamento de uma linguagem de programação de um gigante como Google deve deixar a Microsoft bastante irritada nos próximos meses, no mínimo.
No site do projeto há mais informações, tutoriais para começar e alguns exemplos:
Claro que o sucesso dela dependerá da adoção por parte dos desenvolvedores. Mas tendo o Google por trás não é difícil imaginar que cresça rapidamente. Porém a linguagem é dada como experimental, por enquanto.
Anúncio:
Referências: CNet e PC World.

Notícia retirada do portal Guia do Hardware.

Agora é oficial: Google Chrome OS

Este não é um texto de minha autoria. Texto escrito pelo mestre Carlos Morimoto no BLOG GDH Press.
Não é de hoje que se especula sobre o lançamento do “Google OS”, um sistema operacional para micros PC baseado em nuvem, que viria para competir com o Windows. Inicialmente especulava-se que o Google OS seria uma distribuição Linux, mas os boatos foram perdendo força com o tempo, especialmente depois que foi anunciado o Android, que parecia ser uma boa conclusão para a história. Em vez de se aventurar no problemático mundo dos PCs, o Google parecia ter preferido se contentar com o pacato mundo dos dispositivos móveis.
A possibilidade de um “Google OS” se tornou ainda menos plausível com o lançamento do Chrome. Afinal, hoje em dia o navegador é a peça mais importante em qualquer desktop e lentamente vai se tornando mais importante do que o próprio sistema operacional. Faria todo o sentido que o Google se limitasse a desenvolver um navegador competitivo, deixando que outros fizessem o trabalho sujo, lidando com drivers e kernéis.
Eis que, quando ninguém mais levava a sério a possibilidade de um “Google OS”, ele é finalmente anunciado:

Google_Cloud_OS_html_10b86f48

O Google Chrome OS é, em poucas palavras, um sistema operacional baseado no Chrome, destinado a netbooks.
O anúncio do uso do Chrome colocou por terra as especulações de que ele seria um port do Android para micros PC. Na verdade, o Android e o Chrome são projetos diferentes dentro do Google, com propósitos bem diferentes e muitas diferenças técnicas. Um bom exemplo é que, o navegador do Android possui diversas diferenças estruturais em relação o Chrome, incluindo o uso da engine SquirrelFish para processamento de javascript, em vez do V8 usado pelo Chrome nos desktops. Em resumo, o Android é o projeto do Google para dispositivos móveis, enquanto o Chrome é o braço para os desktops.
Dentro do anúncio é citado que o Chrome OS é “uma tentativa de reexaminar o que os sistemas operacionais devem ser“, o que é uma maneira pomposa de dizer que ele é baseado na idéia do Cloud computing, com integração com os serviços do Google.
Considerando que já possuem o sistema de e-mail mais usado (o Gmail), uma suíte de escritório (Google Docs), aplicativos de comunicação e relacionamento (Google Talk, Orkut) e até uma plataforma de streaming de mídia e TV digital (YouTube), sem falar no serviço de busca que é a espinha dorsal da Internet, a proposta faz sentido.
Em seguida é usada a frase “sistema operacional leve e open-source, inicialmente destinado a netbooks“, que, novamente, é uma maneira pomposa de dizer que utilizarão uma mini-distribuição Linux para rodar uma interface baseada no Chrome. Isso me traz à mente uma das páginas da história em quadrinhos postada na época do lançamento do Chrome:

Google_Cloud_OS_html_4893093d

Traduzindo, o Gears é um recurso do Chrome que funciona como uma API para o desenvolvimento de aplicativos que rodam dentro do navegador, que podem ser escritos usando javascript e outras tecnologias de desenvolvimento web.
Em teoria, o Gears pode ser usado para desenvolver todo o tipo de aplicativo; existe um certo overhead de processamento, mas ele na verdade não é muito maior do que temos em muitas linguagens de alto nível.
A vantagem do ponto de vista dos desenvolvedores seria que os aplicativos poderiam rodar de forma independente da plataforma, atingindo simultaneamente usuários do Windows, OS X, Linux e, naturalmente, também os do Chrome OS.
É bem provável também que o Gears seja usado para desenvolver versões offline do Google Docs, Gmail (permitindo que você leia e responda os e-mails enquanto estiver desconectado, uma opção que na verdade já está disponível) ou até mesmo do Youtube, armazenando uma cópia local dos seus vídeos favoritos.
Até o momento, não tenho visto muito movimento em torno do Gears, mas se o Google conseguir transformá-lo em uma opção viável de desenvolvimento, terá a chance de controlar não apenas a web, mas também o sistema operacional e os aplicativos locais.
De volta às bases, desenvolver distribuições Linux especializadas como a que vão utilizar no Chrome OS é um trabalho relativamente simples. Dois bons exemplos são o TinyCore e o SliTaz sobre os quais falei anteriormente. Ambos oferecem um boot muito rápido e oferecem um ambiente mais do que suficiente para rodarem uma interface baseada no Chrome.
Alguém poderia argumentar sobre a questão dos drivers, já que seria muito custoso para o Google arcar com o desenvolvimento de drivers para todo o tipo de hardware, a ponto de conseguir competir com o Windows nos desktops. É justamente aí que entra a frase “inicialmente destinado a netbooks“, que indica que a estratégia inicial é focada em um nicho específico, e não nos desktops em geral.
Quase todos os netbooks do mercado são baseados no Atom e possuem componentes internos muito similares, quase sempre com um Atom N270/N280 combinado com o chipset 945GSE/ICH7M. A aparência externa pode ser diferente, mas por dentro são todos clones uns dos outros.
Com tão poucas variações, fica fácil para o Google oferecer suporte aos componentes usados, ou até mesmo certificar o sistema para uso nos modelos populares, permitindo que os fabricantes o forneçam pré-instalado nos aparelhos. Não precisarão ir muito longe, já que as versões atuais do kernel oferecem um suporte quase irretocável aos netbooks, incluindo suporte 3D, wireless e suporte à suspensão e outros recursos de gerenciamento de energia. Distribuições atuais, como o Ubuntu 9.04 já detectam tudo sozinhas:

Google_Cloud_OS_html_3e0a50d2

De fato, é usada a frase “netbooks rodando o Chrome OS estarão disponíveis no varejo a partir do segundo semestre de 2010“, indicando que já existem negociações em curso com alguns integradores.
Foi confirmado também que o Chrome OS terá um porte ARM, o que pode potencializar o lançamento de smartbooks baseados em processadores ARM, que têm tudo para serem mais baratos e oferecerem autonomia superior à dos modelos atuais. Uma das principais interessadas é a nVidia, com o Tegra.

Google_Cloud_OS_html_m66ebbed1

A Microsoft foi pega com as calças na mão pelo fenômeno dos netbooks e está enfrentando tempos difíceis tentando adequar o Windows 7 a eles. Os produtos atuais são ainda baseados no modelo da década de 90, com uma versão recauchutada do Windows XP que é vendida por US$ 15 para os integradores, combinada com uma versão shareware (!) do MS Office. Olhando isso em perspectiva, o lançamento do Google Chrome OS parece fazer todo o sentido. Com o Chrome OS, o Google não está apenas lançando mais uma distribuição Linux, mas sim atacando o modelo de negócios da Microsoft diretamente nas bases.
Como sempre, quem determinará se o Chrome OS será um sucesso ou um fracasso é o usuário médio, que terá que escolher entre os netbooks com o Windows, com Linux ou com o Chrome OS na hora de comprar. É indiscutível que tanto os netbooks quanto a computação em nuvem continuarão crescendo, resta saber se os usuários vão morder a isca e encarar a transição para o modelo oferecido pelo Chrome OS.
Concluindo, alguns vão torcer o nariz para o fato de me referir ao Google sempre no masculino, em vez de dizer “a Google” (no feminino) como muitos defendem. O motivo é simples: o Google não é “uma” empresa, mas sim “um” império. O Chrome OS é apenas mais uma amostra disso… 🙂

star-wars-death-star-hologram

Texto escrito pelo mestre Carlos Morimoto no BLOG GDH Press.