Arquivo da tag: Software Livre

Megaf Server v4.0 – Servidor Minetest

Megaf Server v4.0

Sevidor Minetest

Minetest é um jogo gratuíto e de código livre. Semelhante ao Minecraft, quer dizer, o mesmo estilo. Um ambiente livre, sem limites onde tu podes explorar e construir o que quiser.

Megaf Server v4.0 é o meu quarto servidor de Minetest sendo este e o Megaf Till It Ends meus servidores Minetest mais bem sucedidos. Literalemente milhares de pessoas entraram em ambos os servidor e temos jogadores que jogam conosco a 4 anos.
Instale o Minetest em sua distribuição Linux pelo gerenciador de pacotes.

  • Debian, Ubuntu, Mint e derivados:
    • apt-get install minetest
  • Mandriva, Mageia, OpenMandriva, MoonDrake e derivados:
    • urpmi minetest
  • Red Hat, CentOS, Fedora e derivados:
    • yum install minetest
  • Arch Linux e derivados:
    • pacman -S minetest

Se tu usas Windows ou macOS podes baixar pela página de Downloads do Minetest.
Para se conectar ao Megaf Server apenas baixe e instale o Minetest, abra o jogo, clique na aba Cliente e use o endereço mt.megaf.info e porta 30003.
Tua conta será criada com o usuário e senha que tu digitares ali.
Para poder quebrar blocos e construir tu precisas pedir para ter o privilégio de interagir. Podes pedir aqui, dizendo o seu nick ou no jogo quando eu estiver presente.
Por favor, leia as regras e seja educado.
Abaixo segue fotos do mundo nosso servidor.

A importância do Software Livre e seus avanços recentes.

Avanços recentes do Software Livre no mundo.
Por Megaf – http://megaf.info/

Texto original escrito dia 01 de março de 2010.

Atualizado dia 14 de Agosto de 2010.

Olá, escrevi este artigo com o objetivo de esclarecer e mostrar o que é o Software Livre e porque ele é bom para você, para sua empresa e principalmente para todos e apos isso esclarecido vou falar sobre seus avanços.

Antes de falar sobre os avanços do Software Livre, vou falar um pouco sobre o Software Livre, o que é, porque desenvolver e usar programas Livres e de onde veio o Software Livre.

O termo Software Livre vem do inglês “Free Software”. O Free neste caso não significa gratuito, e sim,livre, free, de Freedom.
Software Livre se refere a todo e qualquer software que o programador crie e deixe disponível para que outros programadores possam modificar e melhorar de acordo com suas necessidades.

Uma boa forma de deixar claro o que é o Software Livre é fazer uma analogia com uma receita de bolo. Você cria uma receita de bolo e a distribui para outras pessoas para que elas também possam fazer o bolo. Algumas dessas pessoas percebem que podem mudar um ingrediente ou mudar algo no modo de preparo para tornar o bolo ainda melhor. Sim, estas receitas de bolo são Livres, Free, Abertas, de código aberto.

Isto é o Software Livre: Poder criar um código e permitir que outras pessoas o melhorem e corrijam suas falhas também implementando novos recursos.

Imagine se ninguém pudesse alterar a receita dos bolos, se elas fossem de “código fechado” e fossemos obrigados a comer sempre o mesmo bolo. E se algum dos ingredientes terminasse? Como iríamos concluir o bolo sem poder alterar sua receita? E se achássemos um meio de baixar muito o custo do bolo e ainda melhorar seu gosto, como iríamos fazer? O que podemos concluir com isso tudo? Ora, podemos concluir que os programas que tem seu código livre, aberto, tem tudo para serem mais estáveis, com mais recursos e menos brechas de segurança. Esta é a minha opinião, qual é a opinião de você?

O termo Software Livre surgiu em 1983 quando Richard Stallman quis dar o benefício da liberdade aos computadores. Naquela época o mundo da Informática era dominado pelos programas e sistemas operacionais proprietários, todos eram obrigados a usar um software estático e imutável onde somente a própria empresa que o fez pudesse mudar algo ou corrigir uma falha ou adicionar recursos. Em 1985, Stallman fundou a Free Software Foundation ou, em uma tradução espontânea, Fundação do Software Livre.

A Free Software Foundation tem como objetivo organizar a publicação de programas de código aberto. Desde então, o Software Livre vem ganhando força.

O Software Livre vem avançado de forma significativa, principalmente nos últimos 5 anos. Muitos dos dispositivos que nos cercam usam SL (Software Livre).
Quando se pensa em Software Livre, a primeira coisa que vem à cabeça de muitos é o sistema operacional GNU/Linux, o GNU/Linux não é o único, nem o ator principal do mundo SL, quanto a sistemas operacionais temos muito mais alem do GNU/Linux, existe o NetBSD, muito usado em servidores de missão crítica, por Hackers e programadores e também usuários avançados. Há o Mac OS X, o que seria dele se não fosse o Software Livre, pois seu kernel, o Darwin, é uma derivação direta do FreeBSD que é outro sistema operacional de código aberto. Assim sendo, o Darwin é também de código aberto! Outro exemplo de um sistema operacional de código aberto é o Haiku, uma implementação livre do BeOS. Não podemos deixar de falar do Solaris, o SO (Sistema Operacional) da recém-adquirida pela Cisco, Sun Microsystems. Existem muitos outros, mas o objetivo deste artigo não é fazer uma lista de SOs.
Um dos acontecimentos mais notáveis e falados na mídia foi o Asus Eee PC 701 que em 2007 apresentou o GNU/Linux a uma quantidade enorme de pessoas que jamais tinham sequer ouvido falar que existe outra coisa além do Microsoft Windows. O Asus Eee PC não somente fez isso mas como desencadeou toda uma reação por parte de fabricantes de hardware como também por parte dos desenvolvedores de software. Os fabricantes se preocuparam em oferecer ao público outros modelos de netbook e os programadores a criar distribuições do GNU/Linux otimizadas para rodar em netbooks.
Em 2008 o Google surpreendeu a todos com seu sistema operacional para dispositivos móveis, o Android. O SO do Google foi e está sendo uma verdadeira revolução no mundo da computação móvel e dos smartphones, não param de surgir dispositivos que rodam o Android. A Motorola agora em 2010 se reencontrou e passou a usar o Android na maioria de seus smartphones apresentando vários modelos muito interessantes.
Está por vir ainda este ano novos netbooks equipados com o Android e processadores ARM, prometendo que a carga da bateria dure no mínimo 7 horas de uso intenso. A grande vantagem do Android sobre os outros sistemas operacionais para celulares, é que ele pode ser usado e modificado pelo fabricante da maneira que ele quiser, sem ter que pagar absolutamente nada ao Google. Uma das modificações mais comuns neste sistema são as diferentes interfaces gráficas, semelhante ao que ocorre com o GNU/Linux no Desktop.
A Intel em julho de 2007 também viu uma grande oportunidade no Software Livre, e começou a trabalhar em seu próprio sistema para dispositivos móveis, o Moblin que recentemente se fundiu ao Maemo, sistema operacional de código aberto que equipa os MIDs (Moble Internet Devices) da Nokia, como o N900.
O Software Livre veio pra ficar no mercado de dispositivos móveis. A Palm renasceu com seu SO de código aberto Palm Pré. A Nokia dias atrás abriu completamente o código do Symbian, agora qualquer um pode ajudar a aperfeiçoar o Symbian.
O SL com certeza está presente no seu dia a dia, seja no seu computador, em algum software. Seja na empresa onde você trabalha, nos servidores de impressão. Ou na escola onde você estuda, numa solução de terminais remotos.

Com certeza, a internet seria muito diferente se não fosse o Software Livre. O Apache, por exemplo, é software livre e é um dos mais famosos servidores de páginas da WEB.
Software Livre vem ganhando cada vez mais força nos computadores pessoais, como por exemplo posso citar os navegadores de internet Mozilla Firefox, Google Chrome e o Apple Safari, que apesar de ter parte de seu código fechado, possui um motor completamente de código aberto, o WebKit, usado também pelo Google Chrome.
Ainda posso citar a suite de escritório OpenOffice.org, ou aqui em terras brasileiras, o BrOffice.
Agora vamos entrar no meio corporativo e científico. Acredito que estas foram as duas áreas que mais ganharam com o uso do Software Livre nos últimos anos; cada vez mais empresas estão utilizando em seus computadores programas e sistemas operacionais de código aberto, assim economizando a longo prazo milhões de reais em licenciamento de software.
A própria IBM lançou há poucos anos atrás a suite de escritório Lotus Simphony, que apesar de ser baseado no OpenOffice, apresenta uma interface radicalmente diferente. O Lotus Simphony é completamente voltado ao meio corporativo.
A própria Microsoft vem trabalhando muito em um sistemas de código aberto o Singularity.
Quanto ao meio científico, posso citar os 500 supercomputadores mais poderosos do mundo, segundo o top500.org no segundo semestre de 2009, 89,2% deles, rodavam distribuições Linux (código aberto), 5% Unix (código aberto ou fechado), 4,6% soluções híbridas e apenas 1% deles rodavam o Microsoft Windows (código fechado). Como podem ver, a maioria esmagadora dos supercomputadores, usam sistemas operacionais de código aberto e não somente para economizar: os sistemas operacionais de código aberto vêm sendo usado devido a sua estabilidade e flexibilidade. Há não muito tempo atrás, a maioria deles rodava versões e variações do Unix, muitas de código fechado, e recentemente descobriram o poder que a flexibilidade pode proporcionar, desde que bem usada.
Todos só tem a ganhar, divulgando sua receita de bolo e permitindo que pessoas sugiram aperfeiçoamentos nela. Assim, todos nós poderemos usufruir de bolos cada vez mais saborosos e saudáveis.
Agradecimentos ao Texto Livre pelo apoio e revisão.

Baixe este artigo em PDF.

Fedora, a distro com o maior numero de usuarios?

Foi publicado no site InternetNews dia 21-11-2008 uma noticia  dizendo ha mais usuarios de Fedora do que usuarios de Ubuntu.
Leia a noticia! (Em ingles)
http://www.internetnews.com/software/article.php/3786726/Red+Hat+Fedora+Claims+Its+the+Leader+in+Linux.htm
Inspirado por essa noticia escrevi o que penso sobre isso e sobre o Linux em desktops.
Usei Fedora Linux por muito tempo, desde o FC 4 até o FC 7. A distro realmente ultra estavel, inovadora e tem ferramentas muito praticas. Usei tambem o Ubuntu, pesado, pouco otimmizado, com poucas ferramentas, lento. Efim, acredito que ele deve sua popularidade a distribuicao free de cdroms, não a sua qualidade propriamente dita.
Concordo plenamente que o Fedora é muito mais usado, Fedora é muito forte nos Estados Unidos e alguns paises da Europa.
Aqui no Brasil que domina é o Ubuntu…
Na Europa temos tambem o OpenSUSE e o Mandriva que são fortissimas la.
Efim, Linux esta cada vez mais presente em desktops ao redor do mundo.
Devo lembrar Linux nos desktops é somente a ponta do iceberg, antes do Linux chegar aos desktops, dominou os servidores, dispositivos embarcados como: Routers, Access Points, Firewalls, Modens ADSL, Set Top Boxes e muitos outros dispositivos, como uma vasta gama de smartphones da Motorola, Samsung e SonyEricson.
Existe inclusive alguns relogios de pulso e aparelhos de GPS rodando Linux.
Muitos robos e sondas rodam Linux, caixas eletronicos (não todos, por enquanto) rodam Linux.
Meu iPod NANO 1gn roda Linux, DOOM e videos!
Efim, Linux já desbancou Unix nos servidores, Windows CE nos disposivos embarcados, está brigando com SymbianOS nos smartphones (inclusive o novo PalmOS é baseado no Linux, e tempos tambem o Android, pelo Google, além de sistemas baseados no Linux desenvolvidos pela Motorola entre outras empresas),
o proximo passo é tirar as janelas dos computadores.
Dificil? sim?
Impossivel? Nao.
Sera que o Linux vai tirar o windows da jogada? Acredito que não, mas vai ajudar, junto com outros bons sistemas operacionais que estao na encubadora, como o HaikuOS.
Nada que um pouco de boa publicidade e marketing não consigam.
u

Microsoft assume: ODF venceu

O ODF (Open Document Format), formato aberto para padronização de documentos digitais, travava uma batalha com o OOXML (Open Office XML, da Microsoft), pela disputa da liderança, padrão ISO e conseqüentemente, maior uso no mundo. Muito tempo, discussões e votações depois, a MS percebeu que não adiantaria insistir. Mesmo tendo conseguido tornar o OOXML como um “segundo padrão” na ISO, anunciou recentemente que implantará suporte ao ODF no Office 2007. A atualização deve vir no segundo Service Pack do Office, no primeiro semestre do ano que vem (veja esta notícia aqui no GdH).
Nesta última quinta-feira, Stuart McKee, responsável de tecnologia nacional da Microsoft, falou num painel de discussão na Red Hat Summit (Boston): “O ODF claramente venceu. Vendemos software para viver. A habilidade para implementar o ODF no meio do nosso calendário de lançamento simplesmente era impossível. Não pudemos fazer isso durante o lançamento do Office 2007. Estamos empenhados e comprometidos a fazer mais que tradutores [ODF-para-OOXML].”
A ISO (International Organization for Standardization) ratificou o OOXML em abril. Os apoiadores do ODF, incluindo grandes nomes como IBM e Sun, declararam o OOXML como sendo proprietário demais para ser assumido como um padrão. Vários países (incluindo o Brasil) enviaram mensagens de contestação ao formato nos últimos meses.
Mesmo que a MS implemente suporte completo ao seu formato, OOXML, nas próximas atualizações do Office, a possibilidade de vê-lo como um padrão aceito em larga escala é cada vez menor. A comunidade open source agradece 🙂
Leia mais em:
http://www.infoworld.com/article/08/06/19/Red_Hat_Summit_panel_Who_won_OOXML_battle_1.html

Retirado do site Guia do Hardware